segunda-feira, 30 de abril de 2012

Fafe cada vez mais deserto de serviços públicos: depois do Hospital, o Tribunal

Já aqui falámos da perda de serviços que nos últimos anos tem afectado e empobrecido a cidade de Fafe. Foi o desaparecimento da PSP; depois, da EDP. Mais recentemente, registou-se o esvaziamento do Hospital de S. José, no quadro da sua integração no Centro Hospitalar do Alto Ave, que apenas significou, na prática, destruição e desertificação de serviços, desbaratando-se, num ápice e levianamente, todo um historial de quase século e meio de serviços ao concelho e à região de Basto. Quando o que a situação exigia, face ao brutal e previsível congestionamento do Hospital de Guimarães, era reforçar os meios da nossa unidade de saúde para servir de tampão e de triagem a mais de 100 000 pessoas de todo este espaço territorial…
Em todos os casos estiveram critérios centralistas, de uma mentalidade economicista que apenas olha a números, a cifras e a cifrões, e não ao interesse das pessoas, dos cidadãos.
Agora, é o governo a navegar nas mesmas águas, no quadro da reforma do chamado “mapa judiciário”. Ao que se apurou – e motivou já os protestos veementes do Executivo Municipal e da Delegação de Fafe da Ordem dos Advogados – perspectiva-se a perda (pelo menos) de um juízo no Tribunal de Fafe.
Actualmente, o Tribunal Judicial tem três juízes de competência genérica, abrangendo assim as áreas civil, penal, família, menores, comércio e execuções, sendo que as matérias de direito do trabalho são da competência do Tribunal de Trabalho de Guimarães. A proposta privação dessa competência genérica “importa uma significativa perda para os cidadãos no acesso à justiça que a distância, inevitavelmente, irá acarretar” – subscreve o Executivo.
Na proposta apresentada no “mapa judiciário”, o Tribunal de Fafe ficaria com uma secção de competência civil e outra de competência criminal e apenas dois juízes.
Todos os processos de família, menores, comércio, execuções e colectivos (civil e crime) passarão para Guimarães.
Como considera a Ordem dos Advogados e a Câmara concorda, esta proposta, a ser implementada, “vai sacrificar de forma excessiva os cidadãos do nosso concelho, em especial todos aqueles que não têm transporte próprio, e que assim têm de se deslocar a Guimarães para tratar de qualquer assunto judicial”.
Outro dos receios apontados é o que, face ao reduzido número de processos e volume de trabalho que ficará adstrito ao Tribunal de Fafe, nesta situação, numa nova reorganização do Mapa Judiciário, se extinga o Tribunal de Fafe, à semelhança do que está a ocorrer, neste momento, em outras comarcas.
É, no fundo, o desrespeito do direito dos cidadãos no acesso a uma justiça de proximidade o que está em causa e que pode levar a que os cidadãos sejam forçados a tentar fazer justiça por outras vias, o que nem sempre será legítimo supor.
É lamentável que tal venha a acontecer, com esta reforma enviesada de que se conhecem os contornos.
Repete-se: não porque o que esteja em causa seja servir melhor os cidadãos, tornar mais eficaz e eficiente a justiça, mais céleres os julgamentos, mais justos os actos judiciários; não. O que está em causa é apenas poupar dinheiro. Tão só e apenas. O que se lastima e deplora vivamente!
Como sempre acontece e tem acontecido nesta terra, ninguém faz nada, ninguém diz nada (além das entidades oficiais), como se subtrair serviços ao concelho, forçar os cidadãos a terem de ir a Guimarães para o Hospital ou o Tribunal, fosse a coisa mais normal do mundo, ou uma inevitabilidade inexorável!... Em outros lugares, outras gentes são aguerridas, saltam para as ruas, defendem centros de saúde, hospitais, maternidade, escolas, tribunais, linhas-férreas, e tantas outras mais valias para as populações!
Fafe, na verdade, é constituído por gente demasiado acomodada e anestesiada pela apatia, pela indiferença, pelo conformismo. Já começa a ser atávico, identitário, histórico.
Sendo assim, acaba por ter o que merece!...

domingo, 29 de abril de 2012

O que me faz sorrir neste Dia Mundial do Sorriso que hoje se comemora?



* Os meus filhos, obras de arte maiores e mais belas, pela sua juventude sadia, pela verticalidade, pelo inconformismo, pelo amor à vida, pela exemplaridade, pelo carácter, pelo respeito, pelo exercício da cidadania e do civismo, por serem os melhores filhos do mundo;

* A minha mulher, pelo seu amor, pela sua compreensão, pelo carinho, pelo afecto, pelo caminho que percorremos, lado a lado, há três décadas, de mãos dadas, como se não tivéssemos mais de 20 anos;

* A memória de meus pais, sobretudo quando os “vejo” a “pegarem-se” pelos motivos mais fúteis ou a contarem histórias de outros tempos e outras gentes, como se o fio do tempo não tivesse fim;

* Os meus livros e escritos, que acabam por ser a razão de tantas alegrias e de imensas descobertas, da poesia à investigação, das nascentes plurais à história da nossa terra e das nossas gentes;

* A minha infância, pátria sagrada que regressa a cada momento ao meu coração; as brincadeiras, as tropelias, as subidas às árvores para assaltar os ninhos, os banhos no rio em Fevereiro, as investidas atrás das raparigas, os “assaltos” aos quintais dos vizinhos da aldeia para furtar laranjas ou maçãs, as deslocações para a escola, que duravam uma hora quando se podiam fazer em 20 minutos, as fugas à doutrina, e tantas outras travessuras que ficaram lá atrás na meninice e hoje me fazem sorrir, só de as recordar;

* A minha terra, a terra em geral, o campo, a lavoura, o espaço rural: sou um homem estruturalmente do campo, sem dúvida, embora moldado pela cultura urbana, que leva já mais de três décadas de trabalho sobre o meu espírito;

* A Primavera, o sol, o calor, o voo dos pássaros, o verde dos campos e das árvores;

* O canto das cotovias;

* As rolas: adoro as rolas, a sua elegância, o seu porte, o seu canto, a sua fidalguia popular;

* O mar, a praia, o mar, a praia: multiplicadamente…

* Tantos livros, tantos discos, tantos filmes, tantos amigos íntimos do espírito e das coisas mais sedutoras da vida;

* Ah, claro, e o glorioso SLB. Pode não ganhar sempre, ou quase sempre, mas dá-me imensos sorrisos e bastas alegrias. É uma impenitente paixão, uma chama intensa a arder no coração. Por ele torço, por ele sofro, por ele vocifero, zango-me, enervo-me, bato palmas, dou murros na mesa, grito “goooooooolo!”. É uma perdição, uma loucura, um permanente saudável desatino!...

São estas e outras maravilhas que me fazem sorrir.

Sobre o que não me faz sorrir, nem vale a pena falar. Basta ler os jornais, ver a televisão, ouvir o rádio. Não é preciso ir mais longe, aos cafés, aos mercados, às paragens dos autocarros.
Como diria o poeta, “vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar”!...
E lá vai o sorriso!...

sábado, 28 de abril de 2012

“Digam à Humanidade”, de Maria Aurora Guimarães, apresentado esta tarde em Fafe



O livro Digam à Humanidade, de Maria Aurora Guimarães, foi apresentado esta tarde na Biblioteca Municipal de Fafe, perante mais de quatro dezenas de amigos e convidados.
Na mesa de honra, além da autora, estiveram Artur Coimbra, em representação do município e que fez a apresentação de Aurora Guimarães, e Ana Lemos, da Papiro Editora, que abordou algumas linhas gerais da obra editada por aquela casa.
Maria Aurora Guimarães, que nasceu em Sobradelo da Goma (Póvoa de Lanhoso), em 1936 e reside em Medelo (Fafe) há já bastantes anos, foi parca nas palavras e referiu que a obra já havia sido escrita há 13 ou 14 anos, apenas agora tendo surgido a oportunidade de ter vido a lume.
Professora do ensino básico aposentada, tem trinta anos de experiência em psicografia. E é exactamente num exercício de psicografia que enquadra esta obra. Autora Guimarães limitou-se a pegar na caneta e a escrever. Foi apenas a mensageira de “alguém” que quis “escrever o livro”.
Até porque, fez questão de referir, apesar de professora, até aos 50 anos, não escreveu nada de jeito. Depois, já publicou as obras Pétalas de uma Vida (poesia) e A Força do Amor (romance).

Digam à Humanidade “é uma mensagem ditada pelos espíritos” – escreve-se na capa, enquanto na contracapa de expressa que, nesta obra, “Maria Aurora Guimarães torna-se, mais uma vez, o veículo entre o mundo espiritual e terreno, numa psicografia que nos faz chegar as palavras de incentivo e esperança dos que já não se encontram entre nós”.
É por isso que o “autora” (poderemos chamar autora a quem assim declina a autoria da obra?) declara que o livro deve ser lido em si e por si e não tendo em conta quem o escreveu. Desde logo, a uma pergunta nossa, referiu: “não fui eu quem escolheu o título, Digam à Humanidade. Ele apareceu-me na ponta da caneta quando comecei a escrever…”.
De resto, “eu não conseguia escrever o que escrevo” – confessa Maria Aurora Guimarães, uma personalidade diferente, forte, singular.
Uma “médium pelo menos da escrita”, como alguém a caracterizou, para ela lembrar que também Fernando Pessoa foi um grande médium.
De todo o modo, trata-se de um livro bem simples, pequeno em dimensão, com pouco mais de três dezenas de páginas, que deve ser sorvido lentamente, pensado, reflectido. Um livro perturbador, inquietante, questionador da nossa consciência, onde cabem todas as religiões e onde a espiritualidade está presente, em permanência.
Um livro onde Aurora Guimarães sonha que “daqui a uma centena de anos o mundo possa preocupar-se menos com a materialidade e mais com o seu futuro eterno. Então o amor vencerá”.

Fotos: Manuel Meira Correia

sexta-feira, 27 de abril de 2012

GRACINDO JÚNIOR TRAZ A FAFE A PEÇA "CANASTRÕES" NA NOITE DE 5 DE MAIO

Sábado, 21h30
Preço: 5 €
Duração:90’
Classificação: M/12

O consagrado actor brasileiro Gracindo Júnior, filho do carismático Paulo Gracindo, acompanhado dos seus filhos Pedro e Gabriel Gracindo, estará no Teatro-Cinema de Fafe na noite de 5 de Maio para apresentar a peça CANASTRÕES, original do nosso grande amigo Moncho Rodriguez.
Um espectáculo de alta qualidade, a não perder!

Sinopse:

Contraditórios, patéticos, divertidos, dramáticos, intérpretes e músicos, estes actores/personagens, usam todos os truques e artimanhas que guardam nos seus “canastros” na busca de uma verdade cénica que possa transformar a relação do actor com o espectador. Nesta aventura poética, transformam a emoção num instrumento precioso para tocar a alma dos espectadores.
O ENVIADO, O ACONTECIDO e O INEVITÁVEL, actores sem tempo definido, questionam o sentido de existirem, de ainda permanecerem como vivos no sonho diante da realidade.

Família Gracindo
Este ano Paulo Gracindo completaria 100 anos. Nesse tempo que viveu ele deixou uma grande herança. Um “Baú” repleto de memórias e personagens inesquecíveis. A história que se repete de pai para filho. História essa que se confunde com a história do teatro e porque não com a invenção do mundo? Seu filho, o actor Gracindo Jr., reuniu-se com os seus filhos, Gabriel Gracindo Pedro Gracindo e Daniela Gracindo, nessa vontade de homenagear o patriarca e falar sobre esse ofício que tanto está presente nesta família há...100 anos.
O espectáculo teatral CANASTRÕES conduz o espectador pelo universo mágico da poética teatral de todos os tempos e tem como principal fonte de inspiração a arte de um dos maiores actores do teatro brasileiro, Paulo Gracindo.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Monumento homenageia em Fafe o Poder Local na altura em que é mais atacado e humilhado

Englobado nas comemorações do 38º aniversário do 25 de Abril, foi inaugurado formalmente, na chamada rotunda da “Rua de Baixo”, o Monumento ao Autarca e ao Poder Local, que fica como homenagem ao que todos os autarcas de todos os partidos, nas freguesias e na câmara, desde o 25 de Abril, fizeram pelo concelho, conferindo-lhe o “rosto” que hoje tem e que nada tem a ver com o que apresentava em 1974.
O próprio presidente da Câmara, José Ribeiro, evidenciou que o Poder Local é consagrado para a posteridade, com alguma ironia, numa altura em que sofre os maiores ataques por parte do poder central, à autonomia financeira e administrativa das autarquias, visando reduzir os autarcas a “mangas-de-alpaca”. Identificou, nessa ofensiva contra a autonomia local consagrada pela Constituição e pela lei, claramente, a polémica lei da reforma administrativa, que tanta tinta tem feito correr e se destina apenas a extinguir freguesias e municípios e a lei dos compromissos, que tem em vista paralisar a administração local.

A placa inaugurativa foi descerrada pelo presidente da Câmara e pelos presidentes de Junta mais antigos do concelho, no caso, os de Fafe e de Ardegão

Rogério Almeida, autor da ideia, o segundo a contar da esquerda
O Monumento ao Autarca e ao Poder Local, que não é de fácil leitura, e tem suscitado as mais variadas apreciações, nasceu de uma ideia do fafense Rogério Augusto Rebelo Almeida, que venceu um concurso de ideias lançado para o efeito.

O projecto original, que sofreu alguns ajustamentos, quanto aos materiais, tem as seguintes linhas de força, nas palavras do seu autor:

“Procurei criar um conjunto de tês peças (elementos) que esteticamente simbolizem – quer através da composição dos elementos e os contrastes que lhe são inerentes, entre si, quer com a sua integração no local da sua implantação – a terra (concelho), o Poder Local e os Autarcas.

1. Peça Central: Coluna “Obelisco” em granito (pedra da região) representa a Localidade, a Região – o concelho de Fafe.

- Entre os elementos representados, a localidade é o elemento mais antigo porque a realidade da “terra” é anterior à ideia do “poder” – e foi assim representada através de uma Coluna (tipo obelisco monumento que vem da antiguidade)
- A pedra do obelisco, que é um elemento natural, demonstra que o trabalho do homem sobre a sua superfície, altera apenas a sua forma mas não altera as suas características – de força, de vigor, de tendência para o eterno.
- Sobre a superfície do granito serão gravados o nome de Fafe, sede do Concelho e, em seu redor, os nomes de todas as freguesias de Fafe, sendo que os caracteres da primeira deverão ter o dobro da dimensão dos caracteres das restantes.
- A parte superior do obelisco afunila em forma de chama representativa da expressão máxima de liberdade.

- Peça intermédia Folhas em ferro (material que tem uma relação intrínseca do homem com a natureza, sendo um elemento com um papel essencial no processo de criação estética e funcional do homem) que envolvem a coluna central de uma forma protectora: representam os dois poderes de administração autarca (Câmara Municipal e Juntas de Freguesia) que serão gravadas em cada uma das placas.

Peça Exterior – Figuras humanas interligadas em inox (material que oferece mais luminosidade e conservação no tempo) “dando forma” à interligação dos poderes, como uma característica da actividade humana. Esta peça ficará em redor das outras peças, não partindo da base mas sim do jardim, dando à ideia de ligação incidível à origem (terra) e ao mesmo tempo a continuidade da espécie humana.
Representam os autarcas interligados no interesse e no bem comum do concelho, e sem as cabeças invocando a ideia da pluralidade, interacção de valores e objectivos e anonimato”.

Algumas concepções ficaram; outras foram diluídas nos elementos que foram trabalhados, nos materiais seleccionados para dar maior beleza e enquadramento ao grupo escultórico.
Está de parabéns o autor da ideia, como de parabéns está a autarquia, por embelezar e enriquecer mais uma rotunda de acesso à nossa bela cidade de Fafe!

Abril voltou a ser festejado em Fafe

O Salão Nobre encheu para celebrar o 25 de Abril!
Num dia de chuva intensa, sobretudo na sua parte matinal, o 25 de Abril voltou a ser devidamente festejado em Fafe, por iniciativa do município. Em Fafe Abril não morre; Fafe não se verga para que Abril seja desprezado; em Fafe, Abril, continua a ser uma festa da Democracia e da Liberdade, como todos os quadrantes ideológicos tiveram oportunidade de reconhecer e valorizar ainda ontem. E ainda bem, neste tempo selvagem de ataques reaccionários perpetrados por gente cinzenta sem alma, sem coração e sem história. E sem sentido da História. Digo eu, e reafirmo.
Pois, a sessão solene centrada nos Paços do Concelho encheu por completo a sala, de gente das mais diversas extracções sociais, políticas e culturais, o que surpreende dadas as condições climatéricas registadas na manhã de quarta-feira.
Abriu o presidente da Assembleia Municipal, Laurentino Dias, num improviso pausado e incisivo; falaram pluralmente os representantes dos cinco grupos com assento naquele órgão; interveio ainda a professora Isabel Pires de Lima, para falar das diferenças do país entre o antes e o pós 25 de Abril, e são imensas; foi entregue o Prémio Maximino de Matos a Lídia Carina Lopes Teixeira, bem como a medalha de bronze de mérito concelhio a Carlos Afonso e a de ouro à Santa Casa da Misericórdia, pelos seus 150 anos de actividade.
Finalizou a sessão, este ano bem mais longa que o habitual, o presidente do município, José Ribeiro, para fazer os agradecimentos e realçar o mérito dos premiados na cerimónia.
Para além da inauguração do Monumento ao Autarca e ao Poder Local, registou-se ainda a inauguração da estrada municipal 610, entre a EN207 e Vilarelho, em Serafão.
Aqui ficam algumas imagens, da autoria de Manuel Meira Correia.

Intervenção de Laurentino Dias, a abrir a sessão

José Ribeiro entrega o Prémio Maximino de Matos à jovem Lídia Carina Teixeira

O vereador Antero Barbosa entregou a medalha de bronze de mérito concelhio ao filho de Carlos Afonso, Luís Carlos, por impossibilidade daquele

Laurentino Dias entregou a medalha de ouro de mérito concelhio à Santa Casa da Misericórdia
Intervenção da professora Isabel Pires de Lima, lembrando o conceito "reivindicar" tão caído em desuso

   

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Falsos liberais, ou verdadeiros ditadores?...

O ministro da Saúde, que saberá muito de contas mas pouco ou nada de antibióticos, acaba de lançar uma discussão estéril, ao pretender radicalizar, com evidente dose de fundamentalismo, a lei anti-tabaco. Paulo Macedo anunciou no Parlamento a intenção de apertar as restrições ao tabaco, designadamente decretando a penalização do acto de fumar em veículos automóveis particulares que transportem crianças. A iniciativa legislativa do governo, ao que escrevia o Expresso do outro fim-de-semana, será certamente votada ao fracasso, porque não é sequer consensual na área da coligação governamental.
Nem é, nem deve ser. E ainda bem que por lá há pessoas inteligentes e sensatas! Porque o que está em causa é um acto ditatorial de um governo que se ufana do seu presumível liberalismo.
Ou seja, o governo passa a vida a encher a boca com a bandeira “Menos Estado – melhor Estado”. O que significa que, em termos económicos, o Estado se libertaria, como está a acontecer, de sectores básicos e fundamentais da economia portuguesa (transportes, energia, água, telecomunicações, etc.). Um Estado liberal, ou neo-liberal, deixa, alegadamente, o mercado funcionar, nem que seja na mais rutilante selvajaria, incumbindo-lhe apenas, nessa base, “regular” o funcionamento daquele. Aliás, o que, neste contexto, significam as entidades reguladoras, está bem à vista de todos os consumidores, que sofrem na pele os constantes e incontrolados aumentos dos combustíveis, da electricidade, da água e do gás, porque os reguladores não passam de “advogados” dos vendedores de serviços. Existirem ou não vai dar ao mesmo!...
Um Estado liberal nas políticas económicas está a concretizar-se, sem dúvida, em prejuízo dos cidadãos e em claro benefício dos grandes grupos económicos que são quem, de facto, condiciona as estratégias políticas. Basta ver quem são os “boys” do arco do poder que estão nas grandes empresas, nos decisivos lóbis, nos conselhos de administração pagos principescamente para explorar os consumidores …que os reguladores deveriam defender!...
Ou seja, que há “menos Estado” nesta era de deriva tróico-direitista está a ser um facto indesmentível, mas não consensual; que haverá um “melhor Estado” é que falta provar. Por mim, não acredito nem um pouco nessa asserção. O que se tem visto é o Estado vender os anéis para tentar salvar os dedos, não para se reformar e prestar melhores serviços aos cidadãos, como é seu dever!
Agora, em termos sociais, o que assistimos é à proliferação dos “falsos liberais”. Os “falsos liberais” são aqueles que, em vez de outorgarem aos cidadãos a liberdade de serem responsáveis pelos seus actos, afastando o Estado da esfera privada, querem controlar o que os cidadãos fazem, não no domínio público, mas no reduto da sua autodeterminação.
O que o ministro Paulo Macedo propôs é inqualificável, inadmissível e impróprio de um democrata. Não é minimamente legítimo ao Estado imiscuir-se na esfera pessoal dos cidadãos.
O Estado não pode nem deve meter-se no automóvel de um cidadão para proibir o condutor de fumar, seja qual for o pretexto. Já não estamos nesse tempo soviético ou nazi-fascista, em que tudo se controlava, do universo público ao estritamente privado. Nem estamos na era do “Big Brother is watching you!”, o que quer dizer, “O Grande Irmão está a vigiar-te!”. Não estamos nem podemos estar!...
Estamos, assim, a falar de uma ameaça à liberdade individual dos cidadãos. Uma intrusão inaceitável nos seus direitos fundamentais. Uma violação à Constituição da República Portuguesa e à Convenção dos Direitos do Homem e do Cidadão.
Que os cidadãos sejam sensibilizados pelo Estado para os perigos de fumarem nos seus carros particulares, quando transportem crianças no seu interior, compreende-se, aceita-se e aplaude-se. Agora que o Estado se arme em polícia e se arrogue o direito de controlar (e penalizar) o que os cidadãos devem ou não devem fazer no espaço da sua soberania individual, nunca, jamais, em tempo algum!
O mesmo governo que quer tirar o Estado da actividade económica, pelo seu alegado “liberalismo”, quer meter-se no carro dos cidadãos para os proibir de fumar, numa opção que não tem outro nome senão tique ditatorial.
Nesta lógica de ideias, qualquer dia, se não nos opusermos, o governo quer que o Estado se meta na nossa cama, para saber quantas vezes fazemos amor por semana e se essa cifra está na média europeia. Ou se sente à nossa mesa para saber se comemos gelados, pão-de-ló ou pastéis que contribuam para o aumento da obesidade ou do colesterol.
Um dia destes, o governo quer que o Estado decida o carro que queremos comprar (quando podemos), o banco em que devemos depositar o nosso dinheiro (quando o temos), o clube que devemos apoiar, as canções que devemos ouvir, os programas de televisão que devemos ver, a pasta de dentes que devemos usar, o hipermercado onde devemos fazer as compras, o jornal que é para ler, o café que deve ser frequentado.
Dir-se-à que é uma caricatura. Mas não é a caricatura uma imagem, embora deformada, da realidade?
Preocupa-me sinceramente que tanta gente se despreocupe do que deveria constituir uma séria inquietação colectiva!...
Estes tiques ditatoriais que, aqui e ali, afloram na prática política vigente, não deveriam deixar nenhum cidadão indiferente, 38 anos depois da data redentora do 25 de Abril de 1974, que esta semana se comemora!...

“Cantar Abril” esta terça-feira no Teatro-Cinema de Fafe

Terça-feira, 21h30
Preço: 2 €
Duração: 120’
Classificação: M/6

Este ano, a autarquia fafense vai comemorar Abril de uma forma diferente, com o espetáculo “Cantar Abril”, o qual tem lugar esta terça-feira, dia 24, a partir das 21h30.
O artista local Carlos Cunha convidou músicos amigos, de diferentes locais do norte, para construírem um espectáculo que tem por base interpretações de temas de autores consagrados antes e depois da mítica data libertadora de 25 de Abril, designadamente, Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Francisco Fanhais, José Mário Branco, Fausto Bordalo Dias e Sérgio Godinho.
Além de Carlos Cunha (Voz e Viola), participam no concerto os músicos Tiago Simões (Orquestração – Teclado), José Silva (Viola Baixo), José Duarte (Viola Solo) e Mário Gonçalves  (Bateria). São convidados o prof. Artur Costa (Teclado) e Andreia Oliveira (voz).
Os bilhetes estão à venda no Posto de Turismo, como habitualmente.

domingo, 22 de abril de 2012

Bombeiros de Fafe em festa: “uma instituição que honra Fafe”!



Na manhã deste domingo, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fafe festejou o seu 122º aniversário, cumprindo o programa estabelecido e que está referido no post anterior.
A única alteração que se registou tem a ver com a mostra de equipamento individual de bombeiros e bênção de viaturas, que estava prevista para a Praça 25 de Abril, junto ao Monumento dos Combatentes da Grande Guerra e acabou deslocada para o quartel.
Os momentos altos aconteceram frente à Câmara Municipal, nos cumprimentos às autoridades municipais e convidados e na parada do quartel, onde foram apresentadas duas ambulâncias de transporte de doentes, adquiridas nos últimos meses, bem como duas viaturas de combate a incêndios, recuperadas e beneficiadas simpaticamente pela firma Auto Império, na Zona Industrial do Socorro.
Foram ainda atribuídas distinções a diversos bombeiros voluntários, as mais significativas das quais são os crachás de ouro da Liga dos Bombeiros atribuídos a cinco bravos “voluntários da paz”. Uma vida inteira dedicada à vida e aos bens dos outros, o que é admirável!
A sessão contou ainda com o “baptismo” e a “praxe” de sete novos Bombeiros de 3ª, os quais concluíram com aproveitamento o Curso de Instrução Inicial de Bombeiro. Levaram um monumental “banho” das mãos do comandante adjunto que os deixou absolutamente “como pitos”, na expressão que ouvimos na altura.
A cerimónia terminou com as intervenções de diversas individualidades presentes, entre as quais o presidente da Direcção, Pedro Frazão, o Comandante Operacional Distrital, Hercílio Campos e o Presidente da Câmara, José Ribeiro.
Todos eles felicitaram a corporação por mais um auspicioso aniversário, deram os parabéns aos homenageados com as distinções honoríficas e desejaram as maiores venturas aos novos ”recrutas”. O ambiente foi de grande afecto à causa do voluntariado e dos bombeiros fafenses, tendo o presidente da autarquia, enquanto presidente da Protecção Civil Municipal, referido que “são uma instituição que honra Fafe e nos honra a todos nós”!
Participaram nestas comemorações diversos dirigentes e comandantes de corporações do distrito e um representante da Liga dos Bombeiros Portugueses.
A missa realizada na magnífica Capela de Nossa Senhora de Fátima, presidida pelo capelão da corporação, Padre Peixoto Lopes, que teve o amável colaboração do pároco da cidade, João Fernando, que prodigalizou palavras de apreço pelos bombeiros, foi brilhantemente solenizada pelo Coral Santo Condestável, sob a direcção do maestro Francisco Ribeiro, e que voltou a demonstrar a elevada qualidade interpretativa a que habituou a cultura local.
Alguém dizia, no final, que pareciam anjos a cantar música celestial!...

Aqui ficam algumas fotos das comemorações, da autoria do associado Manuel Meira Correia!













sábado, 21 de abril de 2012

Um ano de troika? Um país mais pobre, um povo mais infeliz!...

1. Por estes dias, a comunicação social, em especial a televisão, tem gasto largos espaços noticiosos e de debate a fazer o balanço de um ano de “ocupação” da troika (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) em Portugal. Porque é disso que estamos a falar. De imposição de medidas, de entidades estrangeiras ligadas à política e às finanças que decidem o que devemos ou não devemos fazer, a troco de um empréstimo pecuniário de 78 mil milhões de euros. Em troca dessa presumível “ajuda”, que mais não é do que um negócio especulativo, a juros monstruosos, José Sócrates e Passos Coelho comprometeram-se a destruir a vida aos portugueses e a desmantelar o Estado Social, enquanto durar uma coisa chamada “Programa de Assistência Económica e Financeira”, que de positivo só tem o nome… O conteúdo é a selvajaria capitalista no seu esplendor!
Pois, que balanço é possível fazer do primeiro ano de intervenção do capitalismo estrangeiro em Portugal?
Não é difícil de fazer, porque está à vista de toda a gente, tão negro e fuliginoso é o estado do país.
Portugal é hoje claramente um país mais pobre, vergado ao peso de mais, novos e inimagináveis impostos (a última invenção é a “taxa de saúde e segurança alimentar” aplicada às grandes superfícies mas que todos os consumidores vão pagar).
Um país cuja taxa de desemprego não pára de subir (já vai nos 15% oficiais, mas deverá ser bastante superior).
Um país em que as falências de empresas são o pão-nosso de cada dia, o mesmo acontecendo às insolvências pessoais e familiares.
Um país onde a austeridade aperta cada vez mais e a economia se deprime e estagna, como nunca.
Um país com um povo sofredor, amargamente triste, desencantado e sem confiança no futuro.
Um povo que heroicamente vai suportando (até quando?) taxas moderadoras nas unidades de saúde absolutamente desfasadas da realidade, a progressiva e brutal perda de rendimentos, cortes salariais e nas pensões como nunca se vira antes.
Entretanto, a classe média, que tudo aguenta e carrega, começa a desaparecer e a engrossar o exército dos “novos pobres”. As instituições sociais já não conseguem dar resposta a tantos pedidos de ajuda. Cada vez mais cidadãos entram em incumprimento de compromissos financeiros, deixando de pagar as prestações das casas, dos carros, dos seguros, dos electrodomésticos, em razão de perda de rendimentos da qual não são responsáveis. Outros retiram os filhos dos jardins-de-infância ou das universidades, por não poderem suportar mensalidades e propinas.
Um país pobre e desgraçado, sem perspectivas, é um país em que a emigração regressa em força, como há muito não se assistia. Em 2011, saíram de Portugal rumo a diversos destinos mais de 150 mil cidadãos, a maioria deles qualificados, em busca de um futuro que a Pátria lhes nega.
Porque é que chegámos aqui? De quem são as responsabilidades dos “buracos orçamentais? Da desregulação financeira, da catástrofe em que se transformou um país com oito séculos de História?
Poderia ser de outra maneira a cura desta doença? Podia, claramente, não fora a teimosia de um governo que, sem sensibilidade social alguma, faz gala em ser mais “troikista que a troika”, nem que à custa do sofrimento e da miséria dos cidadãos!...
É este o saldo de um ano de ditadura da troika neste velho país e neste antigo povo, que não tem (e deveria ter, o mor das vezes) a alma e a paixão dos gregos. Não se perdia nada. Porque, como diz o povo, quem não se sente não é filho de boa gente. E os portugueses estão a ser calcados em demasia e não conseguem reagir, tão anestesiados estão e conformados pela situação política e pelo medo do futuro!...
Assim, é um povo perdido o que temos pela frente, o que é trágico, não duvidemos.

2. Enquanto isso, o governo vai mentindo aos cidadãos, dando o dito pelo não dito, jogando com as palavras, num execrável malabarismo serôdio, e sem qualquer preocupação de ver onde e a quem fere.
Foi assim com o prolongamento dos injustos e discriminatórios cortes dos subsídios de férias e de Natal dos funcionários públicos de 2013 para 2015, e ainda assim “de forma gradual”… Veio o “vagaroso” Ministro das Finanças referir agora, meio ano depois do Orçamento de Estado, que foi um “lapso”, que se “enganou”… Aldrabice, é o que é.
Depois, foi a aprovação à pressa de um diploma que congela as reformas antecipadas, até pelo menos 2014, com a alegação de que se fosse anunciado com tempo poderia haver uma “corrida” às reformas. E ainda por cima, uma matéria desta relevância e que prejudica tantos milhares de pessoas, tomada à revelia da Concertação Social. Incrível!...
Por estas e por outras, quem prometeu falar verdade, e manifesta um socrático pendor para o trocatintismo, começa a delapidar o seu capital político, ainda antes de soprar as velas do primeiro ano de governação. Ou seja, os portugueses começam a desconfiar que tanta austeridade, tanto sacrifício, não vai levar a lado nenhum. O que é dramático. E sem esperança, sem crença nas reformas, sem envolvimento dos portugueses, não vamos lá.
Já chega de demagogia barata e de falsas promessas!
Os portugueses não são imbecis como os governantes julgam!

Bombeiros Voluntários de Fafe festejam 122 anos este domingo

Os Bombeiros Voluntários de Fafe estão em maré de aniversário. Na passada quinta-feira, 19, passou o 122º aniversário da sua fundação oficial, registada em 19 de Abril de 1890, como se sabe.
As comemorações oficiais de mais um aniversário têm lugar este domingo, 22 de Abril, com um programa que decorre durante a manhã. Um programa rico de simbolismo e de amor à causa do voluntariado, e durante o qual serão mostrados à população (assim o tempo o permita) equipamentos individuais de bombeiro e benzidas novas viaturas (Praça 25 de Abril) e incorporados novos bombeiros na corporação.
As cerimónias deste ano estão fortemente condicionadas pela realização das obras de beneficiação e requalificação do quartel, o que leva, por exemplo, a que a missa campal realizada habitualmente na parada, seja transferida para a Capela de Nossa Senhora de Fátima, na Granja.
O programa do 122º aniversário está assim organizado:
07h00: Alvorada com terno de clarins na Casa Escola.
07h45: Formatura Geral do Corpo de Bombeiros e Hasteamento de Bandeiras (Nacional, Associativa e Concelho)
08h00: Colocação de um ramo de flores no Monumento ao Bombeiro, seguindo-se a romagem aos Cemitérios de Silvares S. Clemente, Moreira do Rei e Fafe.
10h30: Cumprimentos às Autoridades e Convidados junto ao edifício da Câmara Municipal de Fafe, pelos Órgãos Sociais, Quadro de Comando, Quadro de Honra, Quadro Activo, Estagiários, Cadetes, Infantes e Quadro de Reserva da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fafe.
10h45: Mostra de equipamento individual de bombeiros e bênção de viaturas, na Praça 25 de Abril, junto ao Monumento dos Combatentes da Grande Guerra.
11h00: Celebração de missa na Capela da Nossa Senhora de Fátima, por alma dos sócios, benfeitores, dirigentes e bombeiros falecidos.
11h45: Imposição de medalhas a vários elementos do Corpo de Bombeiros e ingresso como Bombeiros de 3ª dos elementos que concluíram o Curso de Instrução Inicial de Bombeiro.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Fafe volta a comemorar o 25 de Abril!

À semelhança do que vem fazendo desde há mais de três décadas, a Câmara Municipal de Fafe vai comemorar o 38º aniversário do 25 de Abril com um conjunto de manifestações que inclui a entrega de diversas distinções e a inauguração de melhoramentos pelo concelho.
As cerimónias comemorativas arrancam no dia 20 (sexta-feira) com a Assembleia dos Jovens Munícipes e continuam no dia 24 (terça-feira), pelas 15h00, com a apresentação pública do livro Habitação Social – Município de Fafe, 1998/2012.
Na noite do mesmo dia, realiza-se o espectáculo “Cantar Abril”, no Teatro-Cinema de Fafe (ver abaixo).
Dia maior é o 25 de Abril, que começa pelas 09h00 da manhã, com a alvorada de morteiros.
Pelas 10h00, regista-se o hastear da bandeira no edifício dos Paços do Concelho com o desfile da Fanfarra do Agrupamento de Antime do Corpo Nacional de Escutas, seguindo-se a sessão solene evocativa da efeméride, que inclui as intervenções do Presidente da Assembleia Municipal, Laurentino Dias e dos representantes dos partidos e forças políticas com assento na Assembleia Municipal.
Nesse período, está ainda prevista a intervenção da professora Isabel Pires de Lima, docente universitária e ex-Ministra da Cultura. 
Segue-se a entrega do Prémio Dr. Maximino de Matos relativo a 2011 à recém-mestrada Lídia Carina Lopes Teixeira, que concluiu o curso de medicina com a média final de 16 valores.
Passa-se depois para a entrega da Medalha de Bronze de Mérito Concelhio ao professor Carlos Afonso, “em reconhecimento e homenagem pelo grande trabalho desenvolvido na criação e afirmação das Jornadas Literárias de Fafe”, como foi deliberado na última reunião do Executivo.
De igual modo, a Câmara faz entrega à Santa Casa da Misericórdia de Fafe da Medalha de Ouro de Mérito Concelhio, “em reconhecimento da sua relevante, rica e plurifacetada história, nas áreas da saúde, assistência social, educação e juventude, desenvolvida ao longo dos últimos 150 anos, e em que, fruto do esforço, do sacrifício e do dinamismo de sucessivas provedorias e irmandades, se impôs como uma instituição de referência a nível local e regional, honrando a cidade e as suas gentes”.
Este período continua com a entrega de distinções a uma dezena de funcionários municipais que completaram 15 anos de serviço ininterrupto à Autarquia.       
A sessão solene culmina com a assinatura do Protocolo/Declaração sobre a Luta Contra o Tráfico de Seres Humanos e com as palavras de encerramento do Presidente da Câmara de Fafe, José Ribeiro.
Após a sessão solene, no átrio da Câmara Municipal, é inaugurada a Exposição Itinerante sobre o Tráfico de Seres Humanos.
Pelas 12h00, regista-se a inauguração do Monumento ao Autarca e ao Poder Local e da requalificação da Rua dos Aliados.
               
O programa prossegue, de tarde, a partir das 15h00, no Campo de Futebol de Antime, com o início do 1º Torneio “Cidade de Fafe” em Veteranos e, meia hora depois, no campo de futebol de Regadas, com o arranque do XXVI Torneio de Futebol Juvenil organizado pelo município.
Finalmente, pelas 16h00, tem lugar a inauguração das obras de requalificação da EN610, da EN207 a Vilarelho, em Serafão.
O programa comemorativo inclui ainda a inauguração do Centro de Interpretação “Aboim – Património da Montanha e do centeio”, no dia 28 de abril, pelas 15h00.

Assembleia dos jovens munícipes esta sexta-feira

Esta sexta-feira, dia 20 de abril, realiza-se a tradicional Assembleia dos Jovens Munícipes, a partir das 15h00, no Auditório Municipal, com a presença de cerca de oito dezenas de jovens das várias escolas da área do município.
Esta sessão de uma espécie de “Assembleia Municipal” dos mais jovens, já em décima primeira edição, tem lugar habitualmente nos dias anteriores ao 25 de Abril, em cujo programa comemorativo se integra. Os jovens participantes são obsequiados com um lanche e uma obra da historiografia local.

Espectáculo “Cantar Abril” na noite de 24

Este ano, a autarquia vai comemorar Abril de uma forma diferente, com o espectáculo “Cantar Abril”, o qual tem lugar na terça-feira, dia 24, a partir das 21h30.
O artista local Carlos Cunha convidou músicos amigos, de diferentes locais do norte, para construírem um espectáculo que tem por base interpretações de temas de autores consagrados antes e depois da mítica data libertadora de 25 de abril: Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Francisco Fanhais, José Mário Branco, Fausto Bordalo Dias e Sérgio Godinho.
Além de Carlos Cunha (Voz e Viola), participam no concerto os músicos Tiago Simões (Orquestração – Teclado), José Silva (Viola Baixo), José Duarte (Viola Solo) e Mário Gonçalves  (Bateria). São convidados Artur Costa (teclado) e Andreia Oliveira (voz).